gravação de Escravos de Jó
cidades históricas

Rosemberg Cariry: Ouro preto é cenário de produção cinematográfica

Ouro Preto é uma cidade cenogáfica viva e aberta para visitação. Filmes nacionais foram produzidos no município, como “Os Inconfidentes” e “O Aleijadinho”, do cineasta Joaquim Pedro de Andrade, “Sonhos e Desejos”, de Marcelo Santiago, produzido por Fábio Barreto e estrelado pro Felipe Camargo e Mel Lisboa (de Presença de Anita).

Filmes estrangeiros também entram na lista, como “’Luar sobre Parador”, de Paul Mazursky, com Richard Dreyfuss, Raul Julia e Sonia Braga no elenco, e “Uma canção é pra isso”, do cineasta alemão Ansgar Ahlers, são apenas algumas das inúmeras produções da sétima arte que fizeram uso das ladeiras, becos, pontes e casario de Ouro Preto em suas locações.

Várias gravações este ano

Só neste segundo semestre de 2018, duas equipes cinematográficas percorreram e registraram o mineiro conjunto histórico Patrimônio Mundial em suas filmagens. Uma delas é a do curta que leva também o nome da cidade, “Ouro Preto”, da diretora e roteirista francesa Sonadie San.

Outro que está sendo rodado pelas ruas de Ouro Preto é o “Escravos de Jó”, do cearense Rosemberg Cariry, que traz no elenco nomes como Silvia Buarque (“Os Pobres Diabos”, também de Cariry), Bruna Chiaradia (“O Palhaço”, de Selton Mello), e o o consagrado Antônio Pitanga (“Chico Rei”, dirigido por Walter Lima Júnior). Antônio é pai da atriz Camila Pitanga e do ator Rocco Pitanga, este último também atua no filme que está sendo rodado em Ouro Preto.

“Escravos de Jó” conta a história de um jovem estudante de cinema que se envolve com uma imigrante palestina estudante de restauração na Fundação de Artes de Ouro Preto, a FAOP. O enredo traz uma mensagem sensível contra os preconceitos e em favor da paz e da compreensão e cooperação entre os povos.

E agora, Rosemberg Cariry escolhe Ouro Preto

gravação de Escravos de Jó
gravação de Escravos de Jó

Fotógrafa: Ane Souz • Prefeitura de Ouro Preto

O diretor Rosemberg Cariry é um filósofo de formação, cineasta por vocação, que iniciou sua carreira cinematográfica em 1975, produzindo documentários sobre artistas populares e manifestações artísticas do Ceará. Seu primeiro longa metragem foi “O Caldeirão da Santa Cruz do Deserto”, de 1986. Seus filmes já integraram a programação de vários festivais internacionais e receberam muitos prêmios. Já realizou trabalhos para a TV e, atualmente, também produz uma série de documentários intitulada “O Nordeste”, de Ariano Suassuna.

Fábio Seletti

Jornalista por formação. Empresário de profissão.

Paulista de nascimento. Mineiro de coração.

Você também pode gostar...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *